FÓRUM DE DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NOVA IGUAÇU: UMA PROPOSTA

June 18, 2017

 

Fotografia de Naiara Paula, Projeto Arte de TERREIRO.

 

 

 

 

“Uma mesma civilização produz simultaneamente duas coisas tão diferente como um poema de T. S Eliot e uma canção de Tin Pan Alley, ou uma pintura de Braque e uma capa da Saturday Evening Post. Todas elas são manifestações culturais e, aparentemente, fazem parte da mesma cultura e são produtos da mesma sociedade.” Greenberg, p. 27.

 

 

Pensar numa produção artística para um fórum de diversidade me instiga então a pensar nas diversas formas de artes e de artistas do mundo, assim como seus diversos historiadores e críticos. Nesse momento, minhas leituras me aproximam de historiadores e filósofos como Greenberg, Danto, Nietzsche e Rancière, por causa dos meus estudos em filosofia da arte ocidental na academia. Mas minha mente, meu coração e minha principal intenção de pesquisa estão em África. No entanto, por causa desses estudos, são esses filósofos supracitados que nesse momento me ajudam a pensar, ou dois deles, ao menos para este texto. De modo algum para afirmar a qualidade ou a veracidade de obras e manifestações artísticas afrodiaspóricas, mas tão somente para ajudar pensar os conceitos do referido tema. E começo então chamando a atenção para isso, o que a sociedade teima em negar: que um povo é capaz de produzir cultura material diversa, e que uma não invalida a outra, ao contrário disso, juntas são materiais de riqueza para sua população. Então é por esse caminho que eu pretendo começar a pensar políticas afirmativas na área da cultura para a população preta da cidade, somando voz com muitos pesquisadores e com as da própria população preta, afirmando nossas manifestações artísticas, sejam elas as populares, tradicionais, clássicas e milenares, porque podem aparecer de muitas formas diferentes. Obras essas que não precisam de validação, pois já estão aí como tal muito antes, por exemplo, das obras europeias. Mas que por conta da escravização e do racismo precisa hoje de uma luminosidade, de um resgate.

 

O que segue depois desta citação pelo autor é uma tentativa de explicar que, embora certas produções possam ser bastante diferentes umas das outras, são valiosas em si mesmas e em contribuir para a formação cultural de uma sociedade, além de enriquecê-la primorosamente. O autor se pergunta: essa disparidade faz parte da ordem natural das coisas? Ou é algo novo e específico de nossa época? E se responde dizendo que para entender isso é necessário mais do que uma investigação estética, que: “É necessário examinar mais de perto e com mais originalidade o que se tem feito em relação a experiência estética como ela é compreendida pelo indivíduo específico – não o indivíduo em geral – e os contextos históricos e sociais em que essa experiência ocorre.” Greenberg, p. 27.

 

Essa pequena e valiosa proposta já nos serve de caminho possível para o que precisamos fazer. Ela nos serve de introdução para entrar na questão que nos acerca nesse fórum: a diversidade. E eu não gostaria de falar da questão do preto brasileiro, de Nova Iguaçu ou de qualquer lugar do mundo dentro de um tema chamado “diversidade”. Porque a primeira coisa que devemos salientar é que questões relativas a população preta sempre é diluída em questões gerais. Então eu espero que se a intenção do convite seja para propor questões sobre a população preta, que isso seja ressaltado aqui e agora. Vamos falar, conversar, propor questões específicas para a população preta. Assim, diretamente. Essa questão, pelo menos aqui, não será diluída em termos gerais. O racismo histórico que vivemos nos lança para longe de compreendermos que existe uma questão preta para ser resolvida, então, quando lembramos de colocá-la em prática ela precisa ser acoplada a questões gerais e a mais comum é exatamente “diversidade”. O que é promover a diversidade? É inserir pessoas pretas nas atividades comuns da cidade? Se a questão é sobre o entendimento de que pessoas pretas mediante ao sistema racista estão fora da participação comunal, então a questão é racial sim, porém bem direcionada a população preta. Gizêlda Melo Nascimento no livro “Guerreiras de Natureza” diz o seguinte: “é sabido que o que não se discute não constitui um problema. Então o Brasil é realmente o celeiro de uma ‘democracia racial’ (...). E, senão constitui um problema, vivemos num paraíso.” Então, a primeira coisa que devemos fazer é admitir que há um problema e o problema é o racismo. Desmistificar a ideia de que não há racismo e apontar veementemente cada caso direto ou estrutural desse ato brutal que não impedem somente o acesso das pessoas pretas a vida pública, mas as excluem da própria vida, é fator absolutamente necessário na discussão. No Brasil de hoje, 83 pessoas pretas morrem todos os dias. Isso quer dizer que nenhuma pessoa preta pode ter certeza de que chegará em casa no fim de seu dia, não pela fatalidade da morte que uma hora chega para todos, mas pela certeza de que é alvo do racismo, e o racismo vai matá-lo. Nós devemos pensar todas as formas de inclusão social para o preto brasileiro e de Nova Iguaçu, mas devemos pensar principalmente que se ele não estiver vivo não poderá gozar de nenhum plano que traçarmos aqui, então é preciso aceitar que o racismo está dizimando nosso povo e agir contra isso ao mesmo tempo que procuramos alternativas culturais. É preciso pensar que a população preta vive em lugares muitas vezes insalubres, sem água encanada ou potável, sem transportes, lazer ou uma educação completa, que não pode incluir somente o ensino básico, mas toda uma formação cultural e intelectual para que ele possa eleger suas possibilidades. É preciso lembrar que o senso de 2014 apontou que 3 em cada 4 pessoas dos 10% mais pobres da população são negros o que equivale a 76% dos 10% mais pobres desse país. Então, como uma população tão pobre, em geral, vai chegar a se beneficiar dos meios culturais ou mesmo chegar até ele? É preciso que as secretarias municipais se unam e cheguem até eles nesse sentido, é preciso que olhemos para eles, os escutemos e suprimamos suas demandas enquanto cidadãos ocupantes e participantes da cidade. É preciso pensar numa maneira completa de, efetivamente, fazer isso funcionar. De efetivamente fazer isso!

 

Voltando a provação inicial de sobre como a cultura é formada por diversidades, permita-me fazer o recorde antes anunciado. A sociedade brasileira é um grande mosaico, mas a cor preta está visivelmente ressaltada enquanto construção cultural, intelectual, linguística e até arquitetônica. Falar de cultura brasileira é falar de cultura preta, sem medo de errar. Trazer para cena como se deu a construção da identidade preta nesse sentido é fundamental para entender o país. Então, a proposta de investigação para a promoção da inserção da população preta nas atividades culturais da cidade passa pela investigação histórica desse povo e, pela real organização de instituições que ouçam as vozes dessas pessoas no dia de hoje, agora. Passa fundamentalmente pelo respeito as religiões de matriz africana, que durante séculos guardou a cultura africana em seu seio, pela garantia de sua liberdade e segurança para continuarem exercer suas práticas religiosas tradicionais, assim como de preservar essa cultura na manutenção do ensino através da oralidade e práticas artísticas e afins. É preciso ouvir esses religiosos, abrir os olhos para a riqueza do pensamento preto contido ali, não diluir isso em termos gerais. Trazer essas pessoas para conversar e investigar seus talentos e ajudar a aprimorar, se for o caso, suas manifestações artísticas e visibilizar seu circuito.

 

O filósofo Rancière numa escrita sobre Homero ressalta o seguinte: “Ele não é um inventor de belas metáforas e de imagens brilhantes. Simplesmente vivia num tempo em que o pensamento não se separava da imagem, tampouco o abstrato do concreto. Suas imagens não são nada mais que o modo de falar dos povos de seu tempo.” Rancière, p. 29.

 

Precisamos aprender a não pensar isso somente para nomes europeus cunhados na história, é preciso redirecionar nosso olhar, redirecionar para a África, para o Brasil, para a população afrodiaspórica, principalmente por entender que esse processo de fazer do seu próprio tempo uma obra de arte, não é diferente em outros continentes: “A cultura material africana é um repositório dos mitos milenares e das observações do mundo atual”. Ou ainda:

 

“A arte é o verdadeiro veículo da comunicação e determina os estabelecimentos dos vínculos e alianças entre os planos sagrados e humano. Assim, são as máscaras, esculturas, adornos de corpo e demais implementos visuais que estabelecem ligações, verdadeiros elos que manterão a unidade do grupo social (...).” Lody, p. 24.

 

Rancière afirma ainda que no caminho de entender o mundo e transformá-lo em arte: “tudo é rastro, vestígio ou fóssil. Toda forma sensível, desde a pedra ou a concha, é falante. Cada um traz consigo, inscritas em estrias e volutas, as marcas de sua história e os signos de sua destinação.” Ibdem, p. 35.

 

Igualmente acontece para outras sociedades. Acontece que, como afirma Sodré:

 

“A relação que se estabeleceu entre o explorador europeu e a África, traduzida na possibilidade de ampla vantagem nas ações mercantilistas, quer do ponto de vista dos minérios, especiarias ou tráfico de escravos, traduz uma visão baseada na superioridade de uma civilização sobre outra, onde se inaugura um binômio: ‘civilizados x oprimidos’. Essa dicotomia irá fundamentar uma ação supostamente legitimada de um sobre o outro, construindo a base de um elaborado discurso preconceituoso, legitimador da exploração de negros na condição de escravos [...]. Deste modo, a relação ‘civilizados x oprimidos’ universaliza-se como suporte das ações preconceituosas, que se difundem até a contemporaneidade.

Do ponto de vista da arte, esta relação é contundente, na medida do entendimento de que somente determinados objetos poderia receber essa honrosa identificação, dede que relacionados com um certo grau de desenvolvimento ou homologação de instâncias superiores de determinados povos.” (Sodré, 2006, p. 31)

 

Aqui vamos trilhar um caminho diferente, um caminho para compreensão desse fato que salta aos nossos olhos e mesmo assim insistimos não ver. Veremos.

 

Como entender a produção cultural e artística num contexto africano e afrodiaspórico? Primeiro, acredito, abolir a obsessão de toda vez que abordar temas relativos a população preta enfatizar e parar na escravização, existe muito mais para antes e para depois disso. Estudar pesquisadores afrodescendentes com pesquisas voltadas para população preta é um caminho assertivo. Reunir artistas e suas obras em exposições, fazer conferências, oficinas, cursos, mostras de arte com as produções específicas dessa população é um caminho prazeroso para se chegar a conhecê-los e incentivá-los a continuar, porque a produção já existe há séculos, colocar no circuito é o que procuramos fazer. A ideia não é, e nunca precisará ser, fazer comparações com a estrutura da arte vigente padrão no sentindo de alinhamento, mas de soma; tampouco analisar uma obra afrodiaspórica pela dos europeus, ou ainda amarrar toda nossa produção à antropologia, mas deixá-la simplesmente fluir como ela é, e, como o filósofo Renato Noguera aponta em seus estudos, mostrar para o mundo o caráter pluriversal da arte, da filosofia e afins. Não é preciso começar por um para explicar o outro, é preciso, se for o caso, mostrar as bases de ambos e dizer “olha, o material cultural pode ser diferente, mas a estrutura é mesma. É arte.” Isso não validaria nada, apenas nos ajudaria na desconstrução e construção de conceitos se for preciso. O que seria maravilhoso.

 

Durante meu mestrado em artes, me lembro de inúmeras vezes precisar explicar por que o que eu estava estudando era arte quando todos insistiam que eu devia migrar para a antropologia. Não que eu não goste de antropologia, não me entendam mal, eu amo a antropologia e ela me é uma fiel e adorável aliada. Acontece que essas perguntas me traziam outras perguntas. Pessoas pretas e a cultura de matriz africana não produzem arte, afinal? Arte é um produto branco ocidental? Óbvio que não! Falta investigação qualificada, o que diga-se de passagem está aumentando significativamente nas últimas décadas, e, claro, de boa fé, para o campo das artes pretas no Brasil. A começar por entender que nossa história não começa com o nosso sequestro pelos brancos no continente africano. A começar por entender que o povo preto africano já produzia arte, arquitetura e filosofia, por exemplo, séculos antes dos europeus e ensinar isso hoje como currículo escolar e cultural, assim como suas manifestações recentes.

 

Segundo o Doutor Noguera (2012), que trabalha com a noção de pluriversalidade, é possível, e, em certa medida, preciso, contestar o nascimento dos conceitos, tirando-os assim de um único domínio cultural. A ideia de centro e periferia é entendida como excludente, o que não pode se firmar como verdadeira, visto que entende-se por esse estudo que a validade das coisas está em sua particularidade, não havendo, portanto, um oposto, mas completude:

 

Para Ramose (2011, p. 10), o conceito de universo coube na ciência moderna, um paradigma que tinha como referencial o cosmos dotado de um centro e periferia. “Neste ensaio optamos por adotar esta mudança de paradigma e falar de pluriverso, ao invés de universo” (Idem). A partir das leituras de Ramose (1999, 2010, 2011), entendemos a pluriversalidade como a assunção da primazia das particularidades específicas na configuração dos saberes. A pluriversalidade é o reconhecimento de que todas as perspectivas devem ser válidas; apontando como equívoco o privilégio de um ponto de vista.” (NOGUERA, 2012)

 

Podemos de fato definir um lugar de nascimento das coisas? Podemos estudar a arquitetura de um lugar determinado, mas podemos dizer de fato onde nasce a arquitetura? Podemos conversar sobre o lugar de nascimento de um estilo de música, mas podemos afirmar onde nasce a música? Podemos então, após tal reflexão, afirmar o que é arte a partir de seu nascimento? Creio que não. Talvez possamos discutir sobre um tipo, ou, alguns tipos de arte, criadas em um determinado lugar do globo e propagadas para outros lugares do globo*.

 

Desse modo, pensando pluriversalmente, tento contribuir para a formação e expansão desse corpo preto, que é um corpo completo, sugerindo que as investidas sobre a população preta de qualquer cidade, seja também de modo completo, pensando seu ser enquanto ser completo. Que trabalha, estuda, sonha e que de toda forma está agindo na sociedade e, como somos maioria, cerca de 54% da população brasileira, contribui em maior quantidade e merece um retorno a altura de toda sua contribuição, não somente dos impostos pagos hoje, mas de todo o trabalho de séculos nunca reconhecidos e nem retornados, para a construção desse país.

 

 

 

Proposta para a criação de espaços culturais (Casa de Cultura), pelos bairros de Nova Iguaçu.

Espaço para encontros de práticas corporais, estudos e reuniões diversas em Nova Iguaçu, RJ.

 

Os participantes receberão certificados para todas as atividades das Casas de Cultura.

As Casas de Cultura oferecerão residência artística. ​

O aluno poderá montar sua grade de curso livremente se houver vaga. Não havendo vaga suficiente se submeterá a grade de cursos da Casa de Cultura.

Lanches vegetarianos e bem baratinhos.​

Exposição de produtos para venda.

 

Cursos Sugeridos a princípio:

Se você pode se candidatar para ser mediador de algum desses cursos, por favor, coloque seu nome, telefone e email; uma sugestão de horário com duas ou quatro horas semanais, seu release pessoal com currículo ou portfólio e nos envie. Você pode se candidatar mesmo que já haja uma sugestão de nome para mediador. A ideia da mediação é, inicialmente, para que você possa mostrar suas habilidades artísticas e culturais em troca com a comunidade. Você terá um espaço gratuito para fazer isso na Casa de Cultura de Nova Iguaçu e será certificado (a) por isso.

 

Promoção e prevenção de saúde

Minha sugestão a confirmar: Rosana Rezende: enfermeira graduada pela Faculdade de enfermagem Ana Nery da UFRJ, pós graduada especialista em enfermagem do trabalho pela Faculdade Estácio de Sá.

Ações específicas:

_ Aconselhamento de saúde específico.

_ Aferição de pressão arterial e glicemia (em análise)​

 

Aula de iniciação aos movimentos afrodiaspóricos: introdução ao maracatu baque virado, Coco e jongo

Minha sugestão a confirmar: professor Lucas de Deus e a Professora e bailarina Ângela Lopes. Formação em Pedagogia plena e bailarina contemporâneo pela escola Angel Vianna, com experiência em danças populares como maracatu, coco, jongo, maculelê e dança dos orixás.

 

Livre expressão do movimento na infância

Minha sugestão a confirmar: professora e bailarina: Angela Lopes.Formação em Pedagogia plena e bailarino contemporâneo pela escola Angel Vianna.Desenvolver o potencial criativo a partir das experiências corporais e espontaneidade da criança, unidas à metodologia dos Vianna* (escuta, lúdico, cuidado com o corpo, vetores de força, articulações, peso, apoio, eixo) e as Danças Afro Brasileiras (maracatus, afro, jongo, maculelê e outras). ​​

 

Danças afro-brasileiras dos orixás.

Pendente de professores.

 

​História da África e afro-brasileira

Minha sugestão a confirmar: Nathália Grilo. Historiadora licenciada formada pela USP, cursando antropologia pela UNIFESP. Agente cultural e contadora de histórias com pesquisas em cosmogonia africana pelo Ipn.

Curso continuativo.​​

 

Curso de Filosofia Africana.

Minha sugestão a confirmar: Katiúcia Ribeiro . Filósofa formada pela UFRJ, professora e mestranda em filosofia e ensino no Cefet, com pesquisas em filosofia africana.Curso continuativo.​

 

Literatura africana e afrodiaspórica

Minha sugestão a confirmar: Jacqueline Oba Negraline. Formada em letras clássicas (português, latim e grego), pesquisadora em linguística cognitiva; mito, religião e magia; literatura latina e literatura africana pela UFRJ. Especialista em literatura africana pela UFRJ. Tradutoda de latim clássico.

Curso continuativo.

 

Curso e Prática de Massagem

Minha sugestão a confirmar: Zaíra Veiga. profissional especializada em shiatsu na cadeira,Reiki nível 1, massagem terapêutica e massagens relaxantes.

_ Clientes fixos semanais com preços fixos mensais. O cliente escolhe a massagem e recebe-a toda a semana num mesmo horário. ​

 

Curso de cinema e Cine Clube

Minha sugestão a confirmar: Safira Moreira e Érica Sansil.

 

Curso de fotografia

Pendente de professor.

 

Sarau e oficina de escrita criativa​

Pendente de professor.

 

Saúde e meio ambiente​

Pendente de professor. 

 

Capoeira Angola

Pendente de professor.

 

Estudo sobre Yoga Africana

Minha sugestão a confirmar: Lucinaira de Jesus e Ana Luzia.

 

Introdução a Teoria da Arte com ênfase em arte africana e afro-brasileira e práticas artísticas.

_ Inclui visitas a exposições e escolas de arte.

Minha sugestão a confirmar: Vânia Montanher e Rosiane Cardoso.

 

Práticas artísticas​

_ Pintura, desenho, escultura, xilogravuras, colagens e outras práticas.

Pendente de professor.

 

Curadoria

Pendente de professor.

 

 

Atendimento psicológico para crianças e adolescentes com problemas e traumas escolares

Minha sugestão a confirmar: Roberta Mª Federico é psicóloga (CRP 05/37.813), formada pelo Instituto de Psicologia da UFRJ, especialista em Terapia de Família pela Universidade Cândido Mendes e mestre em Psicologia pela UFRJ, com pesquisa sobre Psicologia e Relações Raciais. É filiada à ABPsi – The Association of Black Psychologists.

Público alvo: estudantes matriculados no ensino fundamental (1º ao 9º ano). Curso Fundamentos da

 

 

Psicologia Africana

Minha sugestão a confirmar: Roberta Mª Federico é psicóloga (CRP 05/37.813), formada pelo Instituto de Psicologia da UFRJ, especialista em Terapia de Família pela Universidade Cândido Mendes e mestre em Psicologia pela UFRJ, com pesquisa sobre Psicologia e Relações Raciais. É filiada à ABPsi – The Association of Black Psychologists.

Público alvo: profissionais da saúde, graduandos de cursos diversos, assim como qualquer indivíduo interessado em práticas de cuidado com a população negra.

Curso continuativo dividido em períodos semestrais. ​

 

Troca de Cuidados

Exemplos: você sabe trançar cabelos e sua irmã sabe fazer unhas, então vocês combinam e trocam gratuitamente esses cuidados.Você sabe fazer maquiagem e seu irmão sabe apertar dreads, então vocês trocam gratuitamente esses cuidados. Você sabe fazer aquele bolo e seu irmão sabe fazer bainha na saia, então vocês trocam gratuitamente esses cuidados. Você sabe editar filmes e sua irmã sabe traduzir o inglês. Você precisa fazer uma sessão de fotos para um trabalho seu ou pesquisa e sua irmã ou irmão gosta de ser modelo..Você sabe fazer massagem com máscara facial e seu irmão sabe escrever um email de trabalho. Você precisa conversar e sua irmã é paciente para ouvir; ou aquela receita vegana especial que podem levar para você, ou troca de livros, cds, companhia para o cinema ou teatro ou praia e etc. Não fiquem sozinhos, não estamos sozinhos!​​

 

Curso de idiomas a partir da literatura ou obras de artes

Minha sugestão a confirmar: Beatriz Souza Santos de Gois, mediadora de italiano, morou e estudou durante cinco anos na Italia regiâo Marche, onde aprendeu e praticou o idioma com fluência e ainda mantém vículo familiares que cultivam tal fluência do seu idioma. Por ter passado longo período de estudo nesse país, aprendeu a técnica necessária para a mediação com proveito do italiano. Cursou enogastronomia no Intituto Einsten-Nebbia de Loreto, se especializou em barmaind, barista e sommilier. Durante o curso participou de diversos eventos Gastronomicos e Enogastronomicos entre eles a ''Fiera do bologna, expoo, programa televisito ''la prova del cuoco'' . Como estudo paralelo cursou contra baixo na escola ''Universo Musicale''.​

 

Ana Beatriz – Mediadora de Inglês.

 

 

Recuperação e Manutenção da tradição oral através do conto da mitologia africana.

_ Contos africanos de diferentes localidades.

_ Histórias de heróis e heroínas africanas e afrodescendentes em África e no Brasil.

_ Manifestações populares como o Bumba meu Boi, Folia de Reis, Congada e outros.

 

Pendente de mediador.

 

Aconselhamento jurídico

Pendente de mediador.

 

Produção Cultural

Pendente de professor.

 

Comunicação e mídia

Pendente de Professor.

***

 

 

*Os últimos parágrafos é um trecho da Dissertação “A face Guerreira das Iabás: manifestação entre mito e representação”, de Naiara Paula.

 

 

REFERÊNCIAS:

GREEBERG, Clement. Arte e Cultura/ Clement Greenberg; tradução de Otacílio Nunes. – São Paulo: Cosac Nayfy, 2013.

LARKIN, Elisa. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente/ Elisa Larkin Nascimento, (org.). São Paulo: Selo Negro, 2008.

LODY, Raul. O Povo do santo: religião, história e cultura dos orixás, voduns, inquices e caboclos/ Raul Lody. – São Paulo: WMF Martins Fontes, 2006.

NOGUERA, Renato. Denegrindo a Educação: um ensaio filosófico para uma pedagogia da pluriversalidade/Renato Noguera.- 2012- nº 18.

RANCIÈRE, Jacques. O Inconsciente Estético/ Jacques Rancière; tradução de Mônica Costa Netto. – São Paulo: Editora 34, 2009.

SODRÉ, Jaime. A Influência da Religião Afro-Brasileira na Obra Escultórica do Mestre Didi/ Jaime Sodré. Salvador: EDUFBA, 2006.

 

 

Please reload

Artigos em destaque

Para os africanos, a filosofia está nas línguas, Por Sophie Oluwole

February 24, 2019

1/10
Please reload

Últimas Publicações

February 24, 2019

February 10, 2019

Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
Search By Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Artigos Anteriores
Please reload

Telefones

Tel: +5521 98110-5610

Rio de Janeiro - Brasil

 




 

Siga-me

 

  • facebook
  • Twitter Clean

© 2014-2019

por Naiara Paula